Entrevista sobre o CD Cantador de Claudio Lacerda

 

Imprensa


 

Entrevista "Cantador"

1) O que este CD representa em sua carreira – considerando os anteriores?

Cláudio: Acho que o "Cantador" é um trabalho muito representativo das minhas referências musicais e de mim mesmo, pois tem toadas caipiras e levadas de blues e folk. Sou paulistano e voltei a morar em São Paulo, depois de 15 anos no interior. Durante esse tempo eu convivi com pessoas simples, o que não tem relação com status financeiro, mas sim com simplicidade mesmo. Acho que as pessoas descomplicam a vida por lá. Gosto muito disso. As canções podem, não coincidentemente, lembrar a simplicidade de Tonico e Tinoco, ou Zé Rodrix e Zé Geraldo com seus rocks rurais, ou ainda, e pretensiosamente, as canções de Renato Teixeira. Procurei fazer com que as levadas e as palavras se misturassem para homenagear alguns valores e costumes do campo. O tempo a mais que se tem por lá. A vida e a lida.

2) Como foi a sua elaboração e participações que vale a pena destacar?

Cláudio: Como o CD anterior - "Alma Caipira" (2007) - foi uma homenagem a compositores, não incluiu canções minhas. Apenas o primeiro CD - "Alma Lavada" (2003) - trouxe músicas autorais. Desde então vinha compondo as canções deste CD com parceiros. A participação de Dominguinhos em "canto brasileiro (minha e Edú Santhana)" foi um presente para mim. Sua simplicidade e atenção conseguem ser maiores que seu talento. É um músico incrível, e foi incrível gravar com ele. Teve também uma parceria de última hora com o Levi Ramiro, em uma canção que era do Adriano Rosa e minha. O Levi também é um cara talentosíssimo e com muito bom gosto musical. Um querido amigo de Três Corações, o Cristiano Lemos, também teve uma participação importante com os violões de aço. O Cris toca muito!!

3) Quais as composições que você destaca e por quê?

Cláudio: Bom, eu sou suspeito, pois gosto de todas! Mas algumas são especiais: "dia de apartação (Adriano Rosa e minha)", é um chamamé que se tornou dos mais legítimos, pelas participações dos sul-matogrossenses Antonio Porto (baixo e violão) e Adriano Magoo (acordeom). "Decisão" (Julio Bellodi e minha) é romântica, e tem uma levada muito gostosa. "Caboclinha" em parceria com meu querido amigo Pinho, é uma delícia de cantar. Gostei muito de "Velhos amigos", do Paulo Simões. E ele também!!!! "Lágrimas" (minha e Julio Bellodi) fala de aquecimento global e sacode um pouco a gente com sua mensagem. Acho que teremos que falar muito disso ainda... "Tempos atrás" é uma toada linda de Sérgio Penna, que homenageia Minas Gerais.

4) O que você como artista pretendeu com este trabalho?

Cláudio: Apenas mostrar para as pessoas o que eu penso e o que eu sinto. Espero que gostem!